Relatórios de Gestão – Março 2022

Share on linkedin

Prezados (as) amigos e investidores,

Em março, o mundo evoluiu, como se esperava após o início da guerra na Ucrânia, para um pano de fundo – ao menos temporário – de estagflação. Apesar da estabilização (em preços historicamente muito altos) dos mercados de commodities, os indicadores de preços incluídos nas pesquisas com gerentes de compras (PMIs) sugerem inflação ainda mais acelerada em bens industriais, que tiveram a produção também afetada pela onda mais recente de covid-19 na Ásia.

Os bancos centrais que acompanhamos reagiram de maneira dessincronizada a esse cenário. Nos Estados Unidos, como amplamente antecipado, o Fed deu início ao ciclo de altas de juros, com a guerra apontando para uma resultante de mais inflação e relativamente pouco impacto na atividade econômica. Na Europa, com o crescimento mais diretamente prejudicado, a reação inicial do BCE foi adiar o início do aperto monetário, ainda que a prioridade, nos próximos meses, também deva ser na direção de combater a inflação historicamente alta. Na América do Sul, as decisões de Brasil, Chile e Colômbia sinalizam juros terminais mais baixos do que o mercado esperava, mas o diagnóstico de que a inflação parece estar perto de um pico nesses países e que o trabalho de reancoragem de expectativas está bem encaminhado segue sendo contestado nos mercados futuros.

Mesmo com o barril do petróleo voltando a perto dos $100, ainda vemos um período de ao menos alguns meses de forte pressão inflacionária no mundo – no mínimo a readequação da oferta de bens ao novo perfil de demanda/estocagem levará mais tempo do que o inicialmente previsto. Com isso, seguimos acreditando que os juros americanos podem subir mais e que o Banco Central do Brasil terá dificuldades em seguir o plano de interromper a alta da Selic quando chegar em 12,75%.

Por fim, outro destaque do mês foi a aceleração da valorização do real, que já acumula 15% no ano. O real segue atrativo com relação ao nível corrente dos juros e das commodities, tendo partido de um nível no final de 2021, como destacamos várias vezes, extremamente depreciado. Se a atual onda de investimentos estrangeiros não é estrutural, ela parece ao menos robusta o bastante para durar mais alguns meses, ao menos enquanto a discussão da eleição presidencial não levar a uma reavaliação da sustentabilidade da dívida.

Quanto a isso, como em 2021, a combinação de inflação, preços de commodities altos e crescimento parece ter garantido mais um ano de resultado primário perto de zero, “comprando tempo” para o próximo governo apresentar um plano de ajuste fiscal. Por vias tortas (e algum mérito do combalido teto de gastos), a consolidação imediatamente pós-pandemia chegou por aqui antes do que na grande maioria dos emergentes; resta garantir isso para o médio prazo.

Acompanhe os relatórios de gestão da Neo para o mês de março de 2022:

Neo Multimercado 30

Neo Provectus I

Neo Argo Long & Short

Neo Argo Equity Hedge

 

Obrigado,

Luciano Sobral, economista-chefe da Neo.